quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O mundo inteiro para conhecer

Há tantas coisas que eu não sei como explicar
Por exemplo, como cabe tanta ternura no teu olhar
Ou a louca sensação que sinto ao te beijar

As coisas pelas quais eu tenho alguma explicação
Já não interessam mais à chaga do meu coração
Sou fascinado pelo mistério de tudo o que foge da razão

Não quero racionalizar tudo o que há no mundo
Quero apenas viver minha vida do jeito mais profundo
Seja como trabalhador, seja como vagabundo

Quero viver todos os meus dias no embalo
Sempre carregar algo de poesia em tudo o que falo
Viver o amor, e não tentar decifrá-lo

Mas enfim, o que eu quero mesmo é viver
E deliciar-me neste irrestrito e súbito prazer
De saber que eu tenho o mundo inteiro para conhecer

- Bartolomeu Parreira Nascimento - Maringá 2010

Um comentário:

. disse...

boa, achei um que pode ter algo a ver:

Estética patética
Fútil é a estética
Estética pra ética
Estética eclética
Estética inédita
Estética essencial
Estética nu
Aparente gente
Aparente vida
Aparente realização
Chega de improvisação ta na cara que temos que mudar nossas atitudes
Acorde pra vida.
Se não ela acaba sem conclusão. Interrogação.
Cessam a prostituição.
O abuso do corpo por parte do ego
O esgoto do resto do lixo que jamais é lixo
Mas sim um caldo nutritivo para a vida
O instante instante é o fato de fato.
Não passa sem graça
Simplicidade é a vaidade
Alimentemos-nos do necessário
O que é o necessário?
É o essencial para viver.
Se locomover
Aquecer
Perecer
Apenas ser.
Se alimentar de carne é luxuria !!!
Abaixo a burguesia como alma!!!
Coma a alma!!!